Virtualização faz milagre?

dezembro 10, 2012  |  Comentários desativados  |  by admin  |  Notícias

Todo watt/hora gerado e consumido no Brasil passa pelos sistemas da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica. Perto de 4 000 medidores mandam informações direto das turbinas das usinas geradoras de 5 em 5 minutos, via IP, para um prédio na agitada região da avenida Paulista, em São Paulo. O fluxo desses dados críticos é monitorado visualmente num telão, ao lado da máquina virtual que o processa, representada como um arquivo. Se o servidor físico apresentar algum problema ou precisar ser desligado, bastará arrastar e soltar a aplicação que coleta os dados para outra máquina, como fazemos com nossos arquivos na árvore de diretórios do desktop. Simples.

A facilidade e o sossego na operação dos recursos de TI da CCEE, das seguradoras SulAmérica e AGF, das agências da Caixa Econômica Federal, da Rhodia e de outras grandes empresas são conseqüências da virtualização. Mais especificamente, da virtualização de servidores de arquitetura x86, a tecnologia que, segundo o instituto Gartner, continua bombando em todo o mundo.

Pesquisa da Forrester Research realizada com 1 221 empresas globais no início deste ano revela que 75% conheciam a tecnologia, 26% já a implementaram e 8% estavam prontas para iniciar seus projetos piloto. “No Brasil, 80% das grandes e médias empresas estão investindo na virtualização de seus servidores”, afirma Reinaldo Roveri, analista da IDC.

Mas o que é que essa tecnologia tem de tão especial? A virtualização, grosso modo, baseia-se num software que faz de conta que é hardware. No servidor, o software virtualizador forma a camada de ilusão entre o hardware e o sistema operacional sobre o qual roda a aplicação. Encapsulados nessa máquina virtual, a aplicação e o sistema operacional acreditam que usufruem de um servidor dedicado e funcionam alegremente, sem se preocupar com as máquinas virtuais vizinhas. Essas características se traduzem em inúmeras vantagens.

Fonte: INFO

Posted in Notícias. Bookmark the permalink.

Comments are closed.